Projeto de Lei que denomina Rua Otávio Comin é aprovado por unanimidade

Foi aprovado, por unanimidade, durante a sessão da Câmara de Vereadores de Siderópolis realizada nesta segunda-feira, dia 24, o Projeto de Lei do Legislativo que denomina de Rua Otávio Comin, a Rua Projetada localizada na comunidade de Rio Patrimônio. A via tem início na Rua Antônia Salvaro Comin e término na Rua Dionísio Comin. A votação do projeto foi acompanhada pela família de Otávio Comin. O projeto foi proposto pelo vereador Rodrigo Péterle.

 

Histórico Otávio Comin

Otávio Comin, também conhecido como Taio ou Taieto, nasceu no dia 5 de agosto de 1934. Filho de Dionísio Comin e Antônia Salvaro Comin. Teve sete irmãos. Viveu a infância na comunidade de Alto Rio Maina e com 13 anos se mudou com a família para a comunidade de Rio Patrimônio.  Casou-se no dia 26 de maio de 1962 com Gema Ugioni Comin, nascida em 22 de dezembro de 1941 e filha de Julio Ugioni e Rosa Bonfante Ugioni. Da união de Otávio e Gema vieram sete filhos: Maria, Dionísio, Rosimeri, Márcio, Raulino, Vanderlei e Maria Márcia. A família se completou com mais 12 netos e três bisnetas.

Otávio Comin começou a trabalhar aos 13 anos como escolhedor de carvão na Mina São Marcos, da Carbonífera Criciúma, e aos 15 anos estava fichado na mina. Saía de casa às 3 horas da manhã para ir à mina e quando retornava, no início da tarde, ia trabalhar no engenho de farinha. Depois, ainda seguia para a roça, para a colheita de banana. Aposentou-se na mineração e seguiu trabalhando no engenho de farinha e na roça.

No dia a dia, costumava andar descalço, com a bainha da calça dobrada. Adorava comer polenta e aipim aquecido na chapa. Nos bolsos, sempre tinha bananas para comer durante o dia. Foi um homem que prezava muito pela família e sempre incentivou os filhos a estudar.

Na comunidade, Otávio sempre foi muito prestativo, sendo festeiro na CAEP do bairro Patrimônio por mais de 15 anos. Foi ele quem doou o terreno para a construção da igreja católica e do salão de festas da comunidade, contribuindo também com as obras. Ele também doou um terreno para que uma das irmãs construísse a casa. Bastante religioso, Otávio e a família iam ao terço todos os domingos, as 8h30min.

Depois do terço, Otávio gostava de jogar canastra e bocha com os amigos. Outra diversão dele era a caça. No final da década de 70 e início da década de 80, ele jogou futebol no time Flamengo do Patrimônio. As partidas aconteciam no terreno de Otávio, localizado em frente à igreja, no outro lado da estrada. Ali, com jogadores de pés descalços, eram realizados importantes jogos, principalmente entre os times do Patrimônio e Vila São Jorge. As partidas eram acompanhadas por muitas pessoas da comunidade.

Otávio Comin faleceu no dia 20 de janeiro de 1995 e deixou um grande legado. Um homem que sempre será lembrado pela alegria de viver, por falar sorrindo, por ser feliz. Uma pessoa que nunca mediu esforços para ajudar a comunidade e as pessoas ao seu redor. Um pai exemplar, um ser humano bom para todos. Parceiro, sempre disposto e muito prestativo. Um homem humilde que ensinou os verdadeiros valores da vida aos filhos e a todos que tiveram a oportunidade de conhecê-lo. Partiu cedo e deixou a família em uma saudade imensa. Até hoje, seus ensinamentos são lembrados e seguidos com muito carinho pela família, que permanece muito unida.

Comentários
Comentários